BLOG

Aqui contaremos mais sobre nossas experiências, atividades, incômodos, pensamentos...

Buscar

Por Prof. Beto Lourenço - Psicoletores em 30/06/2021


As bitucas ou guimbas, como são conhecidas, são o item mais comum de lixo coletado nas praias em todo o mundo, de acordo com entidades de conservação do meio ambiente. Ou seja, o cigarro, e não o plástico, é o verdadeiro poluente das praias, mais do que sacolas plásticas, canudos, garrafas e outros resíduos. Ao contrário do que a maioria dos fumantes pensa, as bitucas, além de não serem biodegradáveis, possuem vários componentes químicos nocivos à natureza. Quando descartada na areia é ingerida pelas aves e quando descartada no mar, mata vários animais marinhos, assim sendo, em ambos os casos ela é confundida com comida.

Desde minha adolescência realizo um trabalho de limpeza das praias na Costa Norte de São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo. Inicialmente um trabalho solitário, porém, recentemente eu e um grupo de amigos nos reunimos e nos organizamos para que essas ações de limpeza se tornassem mais constantes e efetivas. Junto com os amigos Fábio, Hilton, Renato e Tiago, além de outros eventuais voluntários, realizo um trabalho de desenvolvimento do ecoturismo na região com atividades diversificadas e paralelamente às ações de limpeza dos espaços naturais aqui presentes (praias, costeiras, manguezal, córregos, rios, trilhas e cachoeiras). Organizamos periodicamente ações essenciais de limpeza e melhoria estrutural desses locais com instalação de placas educativas, lixeiras e BITUQUEIRAS.

Desenvolvi ao longo do tempo vários tipos de dispositivos para coletar a maior quantidade possível de bitucas dos espaços naturais e também do seu entorno, principalmente nas ruas e nos comércios da região (bares, adegas, mercados, padarias e afins), estes, talvez, os principais locais onde as bitucas de cigarros são descartadas incorretamente. As bituqueiras foram uma solução não definitiva, porém, úteis para a diminuição do impacto que as bitucas causam na natureza.

Em geral, as bituqueiras estão sempre acopladas às lixeiras ou em displays específicos, todos construídos com materiais alternativos que encontramos normalmente descartados na natureza. A opção pela utilização de garrafas pet de tamanhos variados foi pela facilidade de encontrar o recipiente, sua versatilidade e por sua transparência, tornando visualmente mais didático o estímulo ao seu uso por parte dos fumantes, pois em geral, estes, como hábito e até inconscientemente, acabam descartando suas bitucas em qualquer lugar, atitude que, talvez, por desinformação e hábitos adquiridos ao longo do tempo, se torne natural para o fumante. O objetivo das nossas bituqueiras é a mudança de atitudes das pessoas e diminuição do grande impacto que esse resíduo causa na natureza.

A dimensão das nossas ações essenciais de limpeza só se ampliam ao longo do tempo, assim como o seu aperfeiçoamento no sentido de realizarmos diagnósticos dos locais com maior acúmulo e descarte incorreto de resíduos, coleta mais eficiente e estatísticas consideráveis sobre os diversos resíduos, incluindo as bitucas de cigarros.

Atualmente estamos aperfeiçoando a construção das bituqueiras, de modo que as mesmas se tornem mais presentes nos espaços naturais e no comércio, as garrafas estão mais fáceis de serem esvaziadas e reaproveitadas junto às lixeiras e nos displays coletores que estão sendo utilizados no comércio local. As bitucas coletadas estão sendo contadas e encaminhadas para o correto descarte e eventual reciclagem, estamos identificando os locais com maior incidência de descarte incorreto e providenciando a instalação de mais bituqueiras.

Alguns mecanismos foram desenvolvidos recentemente, como um sistema de graduação nas garrafas, permitindo uma maior agilidade na contagem das bitucas coletadas. Por exemplo, numa garrafa pet de 2 litros cabem aproximadamente 1.100 bitucas. Optamos por aumentar o gargalo das garrafas, facilitando o descarte e o esvaziamento nas coletas, assim como o modo como são presas às lixeiras ou aos displays, utilizando arame que se molda ao formato da garrafa, permitindo sua retirada e reutilização por mais tempo. Outro fator importante é que juntamente com as bitucas, as embalagens (maços) de cigarros e isqueiros também são presença constante na natureza, merecendo também a atenção nas ações de coletas. Também temos relatos de fumantes que construíram suas "bituqueiras de bolso", feitas com cano de p.v.c. e metal, dispositivos individuais para o armazenamento e posterior descarte correto. Estamos gradativamente conseguindo sensibilizar os frequentadores dos espaços naturais e o comércio local para a relevância do tema e estamos verificando uma pequena mudança de comportamento das pessoas e o interesse dos estabelecimentos em ter um display coletor de bitucas e a disponibilidade de orientar os clientes fumantes a utilizarem o dispositivo e diminuir o descarte incorreto das bitucas e seu impacto ao meio ambiente.

Nossas ações foram muito importantes ao longo do tempo gerando a necessidade de nos organizarmos para ampliar seus benefícios e inspirar mais pessoas aos cuidados essenciais com a natureza e mudança de hábitos no cotidiano, surgindo assim a ASSOCIAÇÃO SOCIOAMBIENTAL PSICOLETORES (#psicoletores), um grupo de pessoas que faz ações em prol da natureza prioritariamente na Costa Norte de São Sebastião-SP, tais como: limpeza de espaços naturais onde ocorre o descarte incorreto de resíduos, instalação de lixeiras e bituqueiras, atos simbólicos/protestos, eventos e outros. Sempre em nossas ações temos uma atividade física associada (Bike , Caminhada, Remada e ou o próprio esforço da coleta) , nosso empenho é voluntário e de acordo com a disponibilidade de cada psicoletor, ou seja, realizamos ações individuais ou em grupos.

Nossa meta é inspirar a comunidade local e ampliar as ações com campanhas educativas, eventos, parcerias com empresas para padronizar e construir dispositivos de coleta mais funcionais, robustos e duráveis, sem deixarem de ser visualmente bonitos e didáticos e principalmente fiscalizar e cobrar políticas públicas mais eficazes com relação ao descarte incorreto de resíduos na natureza.

Conheça mais sobre os canais de comunicação do Psicoletores:

www.facebook.com/psicoletores

www.instagram.com/psicoletores

www.facebook.com/costanorteaventuras

https://youtu.be/-khCIjQjudE

psicoletores@yahoo.com

Prof. Beto Lourenço - (12) 98249-4869


68 visualizações0 comentário
  • msbitucas

Atualizado: 9 de Jul de 2021

Marquem na agenda e participem conosco!


1. Dia 01: GT Bitucas

Nosso sexto encontro do GT Bitucas será na primeira quinta-feira do mês, dia 01/07, às 17h, e manteremos de forma online para a preservação de todos e todas 😊


Pauta: Apresentação dos resultados e feedbacks sobre o Desafio #PorUmMundoSemBitucas, desenvolvimento do Segundo Seminário de Bitucas de Cigarro e divisão das atividades em grupos.


Para quem puder e quiser participar, por gentileza, inscrevam-se neste link: https://forms.gle/9669LZaWLu48oKEm9


Data: 01/07/2021

Horário: 17h - 18h

Endereço: Em casa - Google Meet - Link de acesso: meet.google.com/fry-tubb-epn


Participem e ajudem a divulgar em suas redes!


Uma imagem para representar como foi nosso último encontro 😊💚


2. Dia 01: Divulgação do Resultado Desafio #PorUmMundoSemBitucas

Nosso Desafio #PorUmMundoSem Bitucas foi realizado durante o mês de Junho em parceria com o Grupo Linear como forma de mapear os pontos viciados com resíduos pós-consumo o cigarro e aumentar a percepção dos participantes perante o descarte inadequado em nossas cidades.


Dados totais coletados utilizando o aplicativo Anecdata:

- 12 participantes

- 62 participações

- 119 fotos

- 05 cidades


A participante que contribuiu com o maior número observações foi a Caroline Manzato. Parabéns!!


Ela receberá um kit do Mundo SEM Bitucas, uma camiseta e uma bituqueira portátil, como premiação =)

Agradecemos a todos e todas que participaram deste desafio conosco!


Notícia importante: o Desafio continuará como Projeto de Ciência Cidadã pelo aplicativo Anectada.org. Participem!


Saiba mais sobre o projeto Mundo SEM Bitucas pelos links a seguir:

Site Institucional: https://www.mundosembitucas.com/

Blog MSB: https://www.mundosembitucas.com/blog

Facebook: https://www.facebook.com/mundosembitucas/

Instagram: https://www.instagram.com/mundosembitucas/


2 visualizações0 comentário

Por Gisele Guedes Conceição, graduanda em oceanografia e bolsista do Projeto Lixo Marinho (FURG-RS).

Somos o Projeto Lixo Marinho, do Instituto de Oceanografia da Universidade Federal do Rio Grande (FURG-RS), que busca investigar a poluição por resíduos sólidos antropogênicos (RSA) em praias e águas superficiais do Atlântico Sul Ocidental, assim como seus impactos para a biota marinha. Durante 27 meses (entre 2016 e 2019), mapeamos os padrões espaciais e sazonais das quantidades de RSA na praia do Cassino, no extremo sul do Brasil, e avaliamos a ocorrência de bitucas de cigarro.

Localizada na cidade de Rio Grande, ao sul do Rio Grande do Sul, a praia do Cassino é caracterizada principalmente pela sua extensa faixa de areia e pelo trânsito de carros ao longo de todo o ano, com um considerável aumento de usuários durante o verão. Esta região também é marcada por intensas atividades portuária e pesqueira.

Nós coletamos em quatro pontos com diferentes usos e ocupações: dois próximos à área urbana do balneário, onde há um maior uso para turismo/recreação, e dois mais afastados do centro urbano, com menor uso. Por meio de transectos de 200m² (em triplicata) da faixa de areia, coletamos um total de 4.002 bitucas de cigarro, representando 14,7% do total de lixo coletado. Observou-se uma relação direta entre as atividades humanas e o número de filtros de cigarro. Durante o verão, quando aumenta o uso na praia, o número de filtros também aumenta: 2.709 foram encontradas nos verões de 2016, 2017 e 2019, ou seja, mais da metade do total coletado ao longo deste estudo. Por outro lado, apenas 80 filtros foram coletados nos invernos destes anos.

A maior parte dos filtros foram observados nos pontos mais próximos à área urbanizada. Observamos também maior concentração de pontas de cigarro na base da duna (7,80 itens/100m²) do que na linha de deixa da maré alta (1,70 itens/100m²), uma vez que a duna é onde as pessoas se concentram, além de ser uma zona de acúmulo de resíduos. Estes resultados demonstram que as bitucas são um indicador de como as atividades estão relacionadas à poluição das praias, por apresentarem maior frequência no verão e em locais com maior número de usuários de praia.

Para solucionar esse problema, é importante desenvolver políticas públicas com base científica para direcionar ações de gestão e educação ambiental. Atividades educativas, principalmente no verão nos pontos com mais usuários de praia, são fundamentais para diminuir o descarte de filtros de cigarro. Além disso, é necessário aumentar o número de lixeiras e recipientes específicos para o descarte de bitucas. As imagens representam a quantidade de bitucas coletadas no mutirão de limpeza de praia “Limpa oceano” na praia do Cassino em 2017, organizado pelo Projeto Lixo Marinho em parceria com a Prefeitura do Rio Grande. A atividade contou com estudantes e moradores da cidade e foram coletadas mais de 500 bitucas de cigarro, sendo o principal item coletado.


Saiba mais sobre o Projeto Lixo Marinho:

Instagram: @projeto.lixomarinho

Facebook: https://www.facebook.com/lixomarinhofurg/



Saiba mais sobre o Mundo SEM Bitucas pelos links a seguir:

Site Institucional: https://www.mundosembitucas.com/

Blog MSB: https://www.mundosembitucas.com/blog

Facebook: https://www.facebook.com/mundosembitucas/

Instagram: https://www.instagram.com/mundosembitucas/


49 visualizações0 comentário